quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Eleições: «Ganhou o Iberismo»

Não sou eu que digo: é o La Vanguardia.

«Gana el iberismo (comercial)

Las elecciones portuguesas las ha ganado el iberismo. No la Iberia idealizada por personajes tan diversos como Fernando Pessoa y Agustí Calvet Gaziel, Henriques Moreira y Francesc Pi i Margall, Oliveira Martins y Francesc Macià, sino el moderno iberismo comercial, el poderoso entramado de intereses que España y Portugal han ido tejiendo desde su ingreso simultáneo en la Comunidad Económica Europea en 1986.

El dinero ha apostado por José Sócrates como garante de una integración económica peninsular que ya no tiene marcha atrás. Y los portugueses cansados de la plastificada mercadotecnia del líder socialista (escuela Zapatero), no han encontrado una alternativa sugerente en la candidata del centroderecha, pilotada a distancia por el presidente de la República, Aníbal Cavaco Silva. La señora Manuela Ferreira Leite quiso ganar las elecciones con tres mensajes de ligero sabor salazarista: regreso a la austeridad de una república contable, renuncia al tren de alta velocidad entre Lisboa y Madrid, y reactivación de los prejuicios antiespañoles, todo ello empaquetado en una valiente campaña antimediática.»
Curioso: não sabia que já o Salazar era contra o TGV...
Nota: a bandeira acima é a da Federação Ibérica proposta em 1854, e não é mais do que o aproveitamento da bandeira da companhia de navegação inglesa Peninsular and Oriental Steam Navigation Company.

3 comentários:

Sagug Amil disse...

Onde é que entra Sócrates aqui? Ao contrário do Aeroporto, que é um empreendimento económico e clientelar (as cunhas, os dinheiros por fora, a especulação imobiliária, as contas na Suiça), o TGV é um empreendimento essencialmente político. Para contrariar a História, tentando fazer o que os romanos fizeram à Península Ibérica através do seu latim, os iberistas portugueses (Mário Lino & Cia Lda.) e espanhóis (com a ajuda da União Europeia) apelam à hegemonia da língua castelhana (não existe “língua espanhola”, mas sim a língua oficial em Espanha: o castelhano) em toda a península, e da economia centralizada em Madrid. Os iberistas portugueses, com o beneplácito de Sócrates, pretendem transformar Portugal numa província de Espanha, alegando motivos de “integração económica”, sob a bandeira da União Europeia. O TGV é um dos instrumentos essenciais da estratégia da aniquilação, a médio e longo prazo, da língua e da cultura portuguesas.

Na minha opinião, Portugal precisa de Espanha, como precisa de Inglaterra, como precisa, nuns casos mais e noutros menos, de cada um dos países do mundo. Os instrumentos de integração privilegiada em Espanha, sejam económicos ou políticos, são absurdos, para além de antipatrióticos.
É isto que os portugueses têm que saber!

Paulo Lisboa disse...

O La Vanguardia é um jornal esquerdista de Barcelona que tem a particularidade de ser o único a ser escrito em castelhano nessa cidade. É um jornal que faz fretes aos castelhanos de Madrid e que por isso mesmo perde em tiragens para outros jornais de Barcelona escritos em catalão como O Avui e o El Periodico de Catalunya.
É por isso um jornal ao qual dou pouca credibilidade.

Nuno Castelo-Branco disse...

"Isto" vai acabar tudo aos tiros...