sexta-feira, 29 de julho de 2011

Fim de linha para o TGV

Uma óptima notícia, há muito desejada!

Do Sol (link)

Passos acaba com TGV

OTGV não vai chegar tão cedo a Portugal. O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, decidiu anular o contrato para a construção da linha de alta velocidade ferroviária Poceirão-Caia, apurou o SOL.

Prevê-se agora uma dura luta em tribunal entre o Estado e as empresas privadas responsáveis pelo projecto para apurar se haverá lugar ao pagamento (ou não) de indemnizações.

Passos Coelho assumiu a responsabilidade deste dossiê, definindo que a última palavra seria sua. Nem mesmo o ministro da Economia, que tutela o sector, teria poder de decisão sobre este projecto com forte carácter político.

O ‘cartão vermelho’ ao TGV foi mostrado depois de o Tribunal de Contas(TC) ter informado o Governo que não teria de indemnizar os privados caso anulasse o contrato, pois a obra ainda não recebeu o visto prévio – luz verde – da instituição.

Para não incorrerem em mais gastos, as empresas de construção pararam as obras, tal como o SOL noticiou na última edição.

...Obras que avançaram sem a luz verde.

Mas a dúvida resta: se não fosse a crise, o bom senso teria prevalecido? Talvez não. Em todo o caso, há razões para comemorar!

Pouco a pouco, as boas notícias vão chegando. Mas também as más: discordo de algumas das privatizações e do fim das golden share, que outros países mantêm.

5 comentários:

Paulo Lisboa disse...

Felizmente que o bom senso prevaleceu. Sem dúvida que esta decisão se impunha!
Quem não tem dinheiro não tem vícios!
Chega de obras faraónicas de duvidosa utilidade!

Gi disse...

Ora aí está. No entanto, JQ, o ministro da Economia também tem ideias muito claras sobre a (não) necessidade do TGV: aqui no último parágrafo.

Joao Quaresma disse...

Gi: e não tem problemas em dizer não a Espanha. Uma grande diferença dos governos anteriores. Obrigado pelo link! :)

António Reis disse...

Andamos nisto à anos e pouco muda...Que é feito de si João Quaresma? Vá aparecendo por favor

Joao Quaresma disse...

Está visto que resolução em definitivo desta questão passa pelo próximo governo espanhol. Mas é de prever que o PP tenha a mesma posição que o PSOE. Trata-se do interesse nacional espanhol.

Obrigado, António Reis. Por enquanto o blogue vai continuar a meio ou nenhum gás, first things first, lamento.